Maioria de votos sequer representa o apoio da maioria da população

Pouco depois das últimas eleições o Diário Liberdade publicou um texto em estilo literário, o qual analisava os resultados das eleições municipais no Rio de Janeiro, evidenciando que, além de o sistema eleitoral alienar a população do direito de decidir por si mesmo e cuidar da própria vida, mesmo dentro da própria lógica que altera os testas de ferro do Capital, que é quem no final das contas manda no Estado, mesmo assim ele é farsa.

Analisando os números vê-se que, apesar da ampla maioria com que contou no resultado oficial, o prefeito eleito, a maioria dos eleitores não era a favor do prefeito eleito. A eleição de governantes é farsa em si e mesmo no sistema que foi criado para fingir que é real, ele é também farsa, mentira, distorção e manipulação.

Coincidência ou não, “965.214 eleitores simplesmente não votaram. Não compareceram. Ignoraram o Estado e à convocação, não foram.” e foi esse aproximadamente o número de manifestantes que tomaram as ruas da cidade no Rio de Janeiro naquele 20 de junho de 2013, ano seguinte às eleições retratadas no texto abaixo. Imagine então 2015. Imagine depois dessa eleição no Estado do Rio em que os candidatos mal conseguem 20% dos votos válidos, ou seja, 20% desconsiderando a enorme massa que não votou nem vai votar.

Link para a matéria:
http://www.diarioliberdade.org/brasil/batalha-de-ideias/31947-esqueceram-de-participar.html

Esqueceram de participar

Brasil – Categoria: Batalha de
ideias

Publicado em Terça, 09 Outubro 2012 12:51

Domingo, fim de tarde, depois de almoçar na casa da mãe, saio para retornar à minha. No caminho, aquele sol baixo, oblíquo a meter-se pelos olhos e a nos obrigar a franzir as pálpebras resgata ares de outono, principalmente se somado às folhas que se amontoam no chão. Centenas, milhares delas a cobrir
as calçadas esburacadas do subúrbio carioca. Curioso é que praticamente todas as folhas têm a mesma cara como se todas as árvores fossem da mesma espécie. O calor, porém, me lembra que deveria ser é verão, apesar de teoricamente ainda estarmos na primavera já que é outubro. Além disso, reparo que as folhas no chão, em vez de amarelas e crocantes, a estalar sob os nossos passos; essas não dão estalo. São brancas e escorregadias e derrubam o passante pensante distraído.
——————————

Essas folhas estranhas que vem de árvores famosas, mas que ninguém nunca viu e o povo não pode comer dos frutos, vem com fotos e números mágicos escritos. Não dizem nada, apenas querem atuar como mensagem subliminar por
fotografias de rostos e números repetidos incessantemente. São como a representação do milagre. Basta memorizar, repetir os algarismos e a cidade mudará; a vida melhorará. Como, não sei. Mas tenho fé. Dizem que será melhor se eu acreditar neles. Por mais que eu não veja nada, como vou negar? Se não mudou é porque não tivemos fé o bastante.

Aliás, saiu o resultado da apuração dos votos. As capas dos jornais
comemoram. Por que, eu mais uma vez não sei. Não entendo. Mas, como não consigo não ver isso, olhei para os números. O prefeito eleito teve
2.097.733 votos, enquanto o segundo teve apenas 914.082. Uma distância tão grande que não resta dúvidas o povo escolheu o primeiro. Aqueles cartazes espalhados por toda parte e as folhas caídas ao chão no outono eleitoral convenceram a ter fé. Há quem creia que estamos em plena primavera da cidade. São tantos olhos voltados para ela com tantos eventos internacionais a ocorrer na maravilhosíssima cidade do Rio de Janeiro! Bem verdade que poucos vivemos no cartão postal, mas somos felizes de sustentarmo-la e depois voltar para casa nos transportes ligeiramente apertados, é verdade, e encarar com prazer a lentidão do trânsito, graças à certeza de ter cumprido o trabalho e com o coração satisfeito a repousar
tranquilo na sensação de pertencimento ao portão de entrada do Brasil e à cidade amiga, que nos é inegavelmente cara, e exporta a cara do país para o mundo.

Olho um pouco abaixo e somo. Encontro: 1.472.537! Caramba, tão perto do primeiro colocado. Quem é isso que envolveu tanta gente?! Essa quantidade poderia fazer uma revolução! Mas esses são os votos nulos, brancos e abstenções. Ainda que o voto seja obrigatório, 965.214 eleitores simplesmente não votaram. Não compareceram. Ignoraram o Estado e à convocação, não foram. Será gente que sonha tão alto que não teve tempo de olhar para o chão e ser convencido pelas folhas que o cobre e alçou o olhar ainda acima dos cartazes nas calçadas e pendurados nas casas? Será gente
que perdeu completamente qualquer esperança e com isso não teve forças para querer? Será gente que vê que o voto não é o símbolo da democracia, mas o seria a participação popular constante nas tomadas de decisão e nos rumos da sociedade?

Acho que será sempre gente das mais diversas opiniões, posições e motivos. Isso é menos importante. O que me parece demonstrar é que 2.618.274 eleitores não queriam o prefeito eleito. Do total de eleitores, tirado da soma de votos apurados à de abstenções (4.719.607) visualizo que 55% dos eleitores não aprova o prefeito eleito. O sistema, todavia, foi criado pelo poder para quem está no poder e nega sem vergonha nem pudor, os que não querem, os que não acreditam, os que de tanta desilusão e desesperança, desistiram.

Quem ficou de fora da composição do poder municipal tem aí um milhão e meio de eleitores para somar ao seu total de votos para ganhar uma próxima eleição, gente que não tem nada a perder, pois se não participou da única e mísera oportunidade democrática direta que o sistema nos permite, que é
eleger alguém para indiretamente nos representar. Seja a esperança. Faça e mostre. Ou, com tanta gente assim, poderia mesmo fazer uma das maiores manifestações coletivas da história mundial e fazer uma revolução. Mas, para isso, antes de mais nada, precisa compreender o que deixou de fora 31% do total de eleitores. Terão eles formado um novo Estado e não precisam
mais desse oficial? Ou não acreditam em nenhum destes tantos? Ou não acreditam em mais nada?

Lembrei agora de Lima Barreto em Os Bruzundangas: “Os seus eleitores não sabem quem ele é, quais são os seus talentos, as suas idéias políticas, as suas vistas sociais, o grau de interesse que ele pode ter pela causa pública; é um puro nome sem nada atrás ou dentro dele. O eleito, porém, depois de certos passes e benzeduras legais, vai para a Câmara representar-lhes a vontade, os desejos e, certamente, procurar minorar-lhes os sofrimentos, sem nada conhecer de tudo isto.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s