A FALÁCIA DE QUE NÃO VOTAR FAVORECE A DIREITA

A FALÁCIA DE QUE NÃO VOTAR FAVORECE A DIREITA
por Igor Mendes*
_______________________________________________

Com o recrudescimento da disputa eleitoral os ânimos mais exaltados se põem a gritar até quase ficar roucos: não votar, abster-se, ou anular o voto, serve à direita. Essas vozes, entretanto, não podem responder satisfatoriamente à pergunta sobre o que exatamente entendem por “esquerda”.

Sim, porque se por “esquerda” entendem uma soma de crédito, Bolsa Família e agronegócio –tudo misturado e temperado com uma boa, mas muito boa mesmo dose de (contra) propaganda –devemos responder-lhes que essa “esquerda” é igualzinha à direita que tanto ataca.

Tal argumento, ademais, não possui sequer o mérito da originalidade. Porque não é de hoje que o fantasma da direita é usado para mascarar o direitismo de quem o acusa. Tomemos junho. Tomemos a Copa. Segundo esse curioso raciocínio, a “esquerda” estava no alto dos palácios governamentais, protegida por nossa “republicaníssima” polícia; e a “direita” estava nas ruas cercando aqueles palácios, tomando paulada desta polícia.

Estranho!

Tomemos agora as eleições. As três principais candidaturas (Dilma, Marina e Aécio) somam, juntas, um orçamento de quase 1 bilhão de reais –no caixa 1, declarado à Justiça Eleitoral. Nem Dilma nem Marina, que pretendem se apresentar “pela esquerda”, tocam nem por alusão a questões pendentes há séculos como a absurda concentração de terras no Brasil (que se reforçou sob a década petista), o confisco das dívidas interna e externa ou o fim do arrocho salarial continuado sobre os trabalhadores. Sobre o direito ao aborto, cruzes!, dá mais voto inaugurar templos e dizer que “feliz é a nação cujo Deus é o Senhor”… Citamos propositalmente algumas medidas que nada têm de socialistas, nem de anticapitalistas, mas possuem simplesmente caráter democrático, progressista. Mas nem mesmo estas questões básicas estão colocadas por quaisquer dessas candidaturas, nem poderiam estar –exatamente porque essas candidaturas são, todas elas, de direita, independente de como se pintem a si mesmas.

Quanto às candidaturas dos demais partidos “socialistas” e “comunistas”, que dizem representar o voto dos protestos, devemos responder-lhes simplesmente: não os representam. Basta olhar as estatísticas. Nas primeiras eleições posteriores às jornadas de junho esses partidos têm as mesmas intenções de voto, ou mesmo menos, que nos pleitos anteriores. Porque passaram ao largo dos protestos contra o aumento das passagens, os quais sempre ignoraram por serem “pequenos”, com ar de aristocrática superioridade; porque estavam por demais preocupados com as próximas eleições do DCE, ou do sindicato, entidades nas quais reproduzem as mesmas práticas de aparelhamento que dizem combater em âmbito nacional. De modo que quando apareceram com suas bandeiras e carros-de-som, lá pela segunda ou terceira semana de protestos, já era tarde. Foi uma relação recíproca. Esses partidos passaram ao largo das manifestações de junho, que por sua vez passaram ao largo desses partidos. E passaram muito bem, obrigado.

Não votar, por si só, não vai mudar o país. O boicote, entretanto, passa um recado claro de rechaço ao Estado brasileiro. Não votar é ser coerente com as sucessivas revoltas populares que têm sacudido o Brasil, e produzirão novas ondas nos próximos meses e anos. Não votar é se recusar a cair no conto do “menos pior”, do qual a falácia de que a abstenção serve à direita é apenas uma derivação mais intelectualizada e um pouquinho menos cínica. Não votar é rechaçar o roubo, a repressão e o descalabro contra os trabalhadores praticado por todas as siglas em todas as esferas de governo. Não votar é não legitimar a “democracia” onde os torturadores estão impunes e os presídios superlotados –de pobres.

Se eleições mudassem alguma coisa, os eleitores seriam cercados pela Tropa de Choque e detidos para averiguação quando estivessem a caminho da zona eleitoral. Como tem acontecido quando os autênticos direitos populares estão em jogo.

*********************************

*texto originalmente publicado no site Tribuna da Imprensa online
http://tribunadaimprensaonline.blogspot.com.br/2014/09/a-falacia-de-que-nao-votar-favorece.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s